Fotografo: Luiz Octávio Ramos Filho
...
Agricultor familiar

A pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente (Jaguariúna, SP) Lucimar Abreu foi convidada pela coordenação do Programa de Pós-Graduação em Agroecologia e Desenvolvimento Rural (PPGADR) do Centro de Ciências Agrárias da UFSCar, em Araras (SP), para proferir palestra aos alunos da turma de 2019, profissionais da universidade e de instituições voltadas para o desenvolvimento rural, em 20 de março de 2019.

O tema foi a dinâmica de desenvolvimento da agricultura orgânica e da agroecologia no Brasil, tendo como foco a problemática de pesquisa desenvolvida sob sua responsabilidade, a partir da década de 90 até os dias atuais. Na palestra, Lucimar retraçou a emergência, a evolução do tema, apresentou aporte conceitual, metodologias e resultados produzidos a partir das suas principais linhas de pesquisas e destacou uma das suas temáticas de pesquisa atuais relacionada à Rede de inovação social para agricultura familiar brasileira.

Apresentou a pesquisa desenvolvida em parceria com o International Centre for Research in Organic Food Systems ( ICROFS ) sobre a situação do desenvolvimento da agricultura orgânica no Brasil e em comparação com a Dinamarca, França, China. Para tanto, a pesquisadora mencionou o histórico da emergência e expansão da agricultura de base ecológica, identificaram a diversidade da produção e do mercado, os elementos motivadores desta expansão e os obstáculos, à luz do contexto do período.

Segundo a pesquisadora, trata se da interpretação socioeconômica de dados estatísticos coletados e da análise de entrevistas efetuadas com diferentes agentes sociais e organizações econômicas, que mostrou a emergência e a expansão da agricultura de base ecológica; identificou o seu estado de desenvolvimento no Brasil e em países mencionados e caracterizou também as cadeias da produção certificadas respectivamente para exportação e mercados locais.

Um outro conjunto de projetos apresentados foram desenvolvidos no bojo da cooperação com pesquisadores franceses. Entre eles, destacou a relevância dos antecedentes de pesquisas entre a Embrapa Meio Ambiente, o Institut National de la Recherche Agronomique (INRA) da França e a Universidade de Paris X (Nanterre), cuja colaboração remonta aos meados da década de 1990. Além disso, enfatizou uma experiência científica de cooperação recente desenvolvida no âmbito do Projeto CAPES-COFECUB/2010-2015 denominado “Agroecologia na França e no Brasil: entre redes científicas, movimentos sociais e políticas públicas”.

Esse projeto teve como objetivo analisar, a partir de uma perspectiva interativa do campo da sociologia e da agronomia, a influência mútua entre redes científicas, movimentos sociais e a construção de políticas públicas para o setor. Neste sentido, o conjunto de atividades ancorou-se na perspectiva analítica das ciências sociais, mas se abrindo às colaborações mais amplas, em especial das ciências agronômicas, tendo em conta a formação disciplinar da equipe do projeto, bem como as dimensões interdisciplinares da agricultura orgânica e agroecologia.

No campo das redes de inovação social, Lucimar destacou as organizações sociais voltadas para comercialização de produtos ecológicos e novas relações de produção-consumo em curso no país, mostrando como a organização em redes de produtores e consumidores de alimentos, especialmente orgânicos ou agroecológicos, agrega valores econômicos, culturais e de segurança alimentar aos produtos e contribui para a sustentabilidade. Conhecidos também como circuitos curtos de comercialização esses os sistemas alternativos são diversificados e dinâmicos, sendo uma opção social, econômica e ambiental para a agricultura familiar, fortalece os mercados locais, religando produtores e consumidores.


Para conhecimento dos trabalhos científicos, Lucimar indica o endereço 025928931374http://lattes.cnpq.br/7268

Cristina Tordin (MTB 28499)
Embrapa Meio Ambiente