Fotografo: http://www.ibrafe.org/o-que-sao-pulses
...
O feijão-mungo é muito consumido em toda a Ásia.

A partir de fevereiro de 2020, a Embrapa Meio-Norte vai trabalhar em mais três frentes de pesquisa. São elas: Desenvolvimento de cultivares de feijão-mungo para o agronegócio das Pulses no Brasil (Kaesel Damasceno – líder), Desenvolvimento de ração à base de grãos proteicos para alimentação e nutrição de galinhas caipiras do Nordeste (Teresa Viola – líder) e Novos usos para os produtos das abelhas (Fábia Pereira – líder).

Esses projetos estão entre as 96 propostas aprovadas por meio das chamadas 1, 2 e 3 de 2019, do Sistema Embrapa de Gestão (SEG). As aprovações alcançaram 44% das 214 propostas apresentadas por todas as Unidades de pesquisa da instituição. O SEG destinou R$ 58,6 milhões às três chamadas. Para chegar ao resultado final, os avaliadores respeitaram o mérito técnico, com foco nas entregas propostas e o impacto delas no sistema produtivo.

Broto na salada

A pesquisa com o feijão-mungo, que também é conhecido como feijão moyashi, feijão-soroca, feijão-mungu e feijão-da-china, vai trabalhar o desenvolvimento de cultivares adaptadas “a diferentes condições de clima e solo com elevada produtividade e qualidade de grão”, para atender diferentes segmentos de mercado do agronegócio brasileiro.

De origem indiana, o feijão-mungo é rico em fibras, proteínas e minerais, como ferro, magnésio, fósforo, zinco e cálcio. Tanto na culinária asiática, como no Brasil, a espécie é mais consumida na forma de broto (estágio inicial de desenvolvimento da planta), em saladas. Na agricultura brasileira, o mungo é mais cultivado no Mato Grosso e em Minas Gerais.

Pesquisas em execução

A carteira de projetos da Embrapa Meio-Norte tem hoje 12 projetos em execução. Vejamos: Conservação de recursos genéticos de insetos polinizadores (Fábia Pereira – líder), Integração de atividades e viabilidade da pequena e média exploração do cajueiro no Nordeste do Brasil (Francisco Seixas – líder), Estratégias para a sustentabilidade da produção orgânica irrigada na região Nordeste ( Braz Henrique Nunes– líder), Influência das condições climáticas no manejo, produção e sanidade de abelhas Apis melífera (Maria Teresa do Rego – líder), Integração de métodos para estudos de parasitoides de ovos de lepidópteros de importância agrícola (Ranyse Barbosa Querino – líder), Desenvolvimento de cultivares para o agronegócio do feijão-caupi no Brasil ( Maurisrael Rocha – líder ), Soluções inovadoras para fortalecimento dos sistemas integrados de produção no Meio-Norte do Brasil (Raimundo Bezerra Neto – líder), Tecnologias para sistemas de produção integrados na região Meio-Norte do Brasil ( Aderson Andrade Junior – líder), Manejo o sistema solo-água-planta para o milho na região Meio-Norte do Brasil (Edson Bastos – líder), Conservação “in situ” de Bovideos ( Geraldo Magela Carvalho – líder), Avaliação e seleção de linhagens elite para melhoria de produtividade e qualidade de feijão-caupi e feijão-mungo cultivados na segunda safra ( José Angelo Nogueira – líder) e Absorção de nutrientes e desenvolvimento de culturas graníferas em sistemas de produção integrados no leste maranhense ( Edvaldo Sagrilo – líder).

Fernando Sinimbu (654 MTb/PI)
Embrapa Meio-Norte