Fotografo: Ascom/FMS
...
Comitê para acompanhamento dos casos de Covid-19

Seguindo as orientações do Ministério da Saúde para o combate ao Covid-19 em Teresina, a Fundação Municipal de Saúde instituiu o Centro de Operações de Emergência (COE), que tem por objetivo acompanhar os casos da doença na capital. O grupo é formado por médicos e enfermeiros, que estão de plantão 24 horas.

Segundo a coordenadora Yara Amorim, o COE tem por objetivo a orientação do sistema municipal de vigilância em saúde e da rede de serviços de atenção na saúde – pública e privada – para atuação na identificação, notificação e manejo oportuno dos casos suspeitos de infecção humana pelo Covid-19. “O comitê atua na capital, de modo a mitigar os riscos de transmissão sustentada em Teresina”, explica a enfermeira.

Compete ao COE o planejamento, organização, coordenação e controle das medidas a serem tomadas durante a emergência em saúde pública, nos termos das diretrizes fixadas pelo Ministério da Saúde. “O COE tem como missão dar suporte à epidemiologia dessa pandemia do Covid-19. E o que é isso? É receber a notificação dos casos, verificar se eles têm uma suposição consistente, acompanhar, orientar a família sobre como ficar no domicílio e monitorar para ver diariamente se essa pessoa tem alguma complicação respiratória, e se tiver que providências tomar”, explica a diretora de Vigilância em Saúde da FMS, Amariles Borba.

Yara Amorim explica ainda que o COE segue também articulando-se com gestores estaduais e municipais para execução das ações propostas, de acordo com as definições operacionais dos casos suspeitos que foram elencados pelo Ministério da Saúde. “É como se fosse uma muleta, uma segurança para a população. Trata-se de um trabalho árduo para preservar e promover a saúde pública, com isso mostrando mais um serviço da FMS para a população”, completa Amariles Borba.

O Covid-19 é causado pelo coronavírus SARS-CoV-2, que causa infecções respiratórias e que tem se espalhado por vários países. Segundo a Organização Mundial de Saúde, a doença tem baixa letalidade e 80% dos casos são leves, porém pode causar sintomas graves e até levar a óbito pessoas de grupos considerados de risco, como idosos e pessoas com comorbidades como hipertensão, diabetes e doenças respiratórias crônicas.