Fotografo: Marco Gomes
...
Área de pastagem gado de corte

O pesquisador Marco Gomes, da Embrapa Meio Ambiente (Jaguariúna, SP), esteve no município de Acrelândia, no Acre, de 25 de julho a 1 de agosto, para realizar levantamento e reconhecimento da cobertura vegetal, com descrição dos diversos tipos de uso da terra, incluindo desmatamentos, principais tipos de solos e corpos hídricos.

Essas atividades fazem parte do Projeto Fundo Amazônia (ASEAM) − “Construção do conhecimento e sistematização de experiências sobre valoração e pagamento por serviços ambientais e ecossistêmicos no contexto ada agricultura familiar amazônica”, sob a liderança do pesquisador Sérgio Tôsto da Embrapa Territorial (Campinas, SP).

Essas informações, informa Gomes, levantadas em campo, aliadas a outras a partir de dados secundários, irão servir de base para orientação aos pequenos produtores (agricultura familiar), visando a sustentabilidade de sua propriedade. "De fato, existe uma proposta para orientá-lo sobre a realização de serviços ambientais e o pagamento por esses serviços (PSA)", diz o pesquisador.

No município de Acrelândia foi identificada a predominância da pastagem extensiva, com gado de corte. O cultivo da banana aparece como segunda atividade agrícola mais importante do município.

Os tipos de solos são representados, predominantemente, por Argissolos Vermelho-Amarelos que, naturalmente, possuem alguns problemas de caráter físico. Isso significa, explica Gomes, que seu manejo necessita de um controle, observando sempre a umidade ideal para cultivo.

No caso dos corpos d’água, não se observa grandes volumes, mas apenas pequenos riachos, quase sempre represados para atender às necessidades de dessedentação de animais, principalmente no período de estiagem. O rio Iquiri é o principal curso d’água do município de Acrelândia.

Conforme Gomes, "os próximos passos incluem treinamento das comunidades rurais, principalmente em áreas de assentamento. Os órgãos de extensão rural deverão ser envolvidos, inicialmente, nesse processo até o final de 2019. Para os agricultores, o treinamento será até o final do primeiro semestre de 2020.

Cristina Tordin (MTB 28499)
Embrapa Meio Ambiente