Fotografo: Arquivo CCom
...
Governo investe me segurança pública

O Governo do Estado vem investindo de forma sistemática no setor de Segurança Pública nos últimos quatro anos. Prova disso, é a evolução dos gastos na área, que subiu de R$ 18 por habitante em 2014, para R$ 218 em 2017. Compra de armamentos, equipamentos de segurança, viaturas, bem como a convocação de delgados, contribuíram para manter o Piauí entre os três estados da federação com menor índice de homicídios.

Em 2017, a Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP-PI) entregou 46 viaturas para 26 municípios do interior e delegacias especializadas da capital, como Greco, Polinter, Delegacia de Homicídios, Delegacia do Silêncio, Núcleo de Inteligência, IML e Gerência de Policiamento do Interior.

Da mesma forma, foram adquiridas 760 novas pistolas, 12 espingardas calibre 12, 10 fuzis 556 e 12 metralhadoras, além de 180 mil cartuchos para a Polícia Civil. Também foram adquiridas 180 mil munições de diversos calibres e 451 coletes balísticos, configurando a maior compra de armas da história do Piauí, com R$ 2,1 milhões aplicados.

Integração também é uma das estratégias para o combate à violência (Arquvo CCom)

“Nosso objetivo é cada vez mais melhor equipar e preparar nossos policiais. Apenas uma polícia bem equipada e preparada é capaz de assegurar os diretos dos cidadãos, por isso mesmo, as políticas públicas voltadas para a segurança pública são prioridades do nosso governo”, destaca o governador Wellington Dias.

Os investimentos também chegam à Polícia Técnico Científica, onde R$ 1,2 milhão foi investido na compra de três aparelhos de infravermelho para as cidades de Picos, Parnaíba e Teresina, além de um espectroscópio Raman para o Instituto de Criminalística em Teresina.

Delegacias ganham nova estrutura e profissionais são valorizados

Os benefícios também são percebidos na estrutura física das delegacias. Em Parnaíba, uma nova Central de Flagrantes foi construída para atender toda a região da Planície Litorânea, compreendendo os municípios de Parnaíba, Ilha Grande, Luís Correia, Cajueiro da Praia, Buriti dos Lopes, Bom Princípio, Caxingó, Caraúbas, Cocal e Cocal dos Alves, beneficiando uma população de 266.607 habitantes. Foram investidos R$ 853 mil nessa obra.

Em Teresina, a inauguração do 17º Batalhão da Polícia Militar, no bairro Porto Alegre, zona sul de Teresina, recebeu investimentos da ordem de R$ 280 mil, beneficiando a região da Vila Irmã Dulce, Eduardo Costa, Santa Clara, Parque Sul, Esplanada, além das cidades de Curralinhos e Demerval Lobão.

Investir também em material humano é fundamental para o combate à violência. Por isso, o governo nomeou 21 novos delegados para Polícia Civil, equiparou o auxílio-alimentação dos policiais civis aos da Polícia Militar, no valor de R$ 330, realizou concurso público com 400 vagas para a PM e passou a pagar, por apreensão de armas, R$ 112,3 mil em bônus para 455 policiais civis e R$ 271,2 mil para 1.128 policiais militares.

Governo ralizou concurso público com 400 vagas para PM (Arquivo CCom)

Todos esses investimentos culminam na redução de crimes violentos letais e intencionais (CVLIs), que em 2017 registrou queda 10,16%, de janeiro a outubro, em comparação com o mesmo período de 2016, de acordo com informações do Núcleo de Estatísticas e Análises Criminais (Nuceac).

Segundo o Atlas da Violência 2018, relatório lançado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), em parceria com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, referente ao ano de 2016, o Piauí é o Estado mais seguro do nordeste e o terceiro mais seguro do Brasil. Segundo o estudo, a taxa de homicídios no estado foi de 21,8 mortes para cada 100 mil habitantes, maior apenas do que a de São Paulo (10,9) e Santa Catariana (14,2).

Esse trabalho teve início em 2015, quando o atual governador assumiu e encontrou um cenário difícil na área da segurança pública. Nós tínhamos, àquela época, 28 homicídios por cada 100 mil habitantes e, por meio de um trabalho de integração dos órgãos, nós conseguimos reduzir já em 2015 e 2016 esses números e a tendência seguiu no ano de 2017”, pontua o secretário de Estado da Segurança, coronel Rubens Pereira.