Fotografo: Divulgação
...
Mudanças no trânsito de Teresina

Nos últimos seis anos, Teresina tem passado por grandes mudanças no trânsito, com as implantações de novos semáforos, fechamento de retornos, construção de binários e laços de quadra. São medidas que contribuíram para dar mais fluidez ao trânsito e evitar acidentes numa cidade onde se registrou um grande crescimento da população e da frota de veículos, além de novos empreendimentos e a expansão territorial.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2018, Teresina registrava um veículo para cada dois habitantes. Com o aumento da frota de veículos, a tendência é que apareçam problemas como congestionamentos e elevação no número de acidentes.

Para atenuar os impactos do crescimento da cidade, várias medidas foram adotadas em toda a capital. “Fizemos novos binários, garantindo outras vias de circulação, além de intervenções pensando no transporte público. Todos esses trabalhos são feitos após estudos e análises, utilizando meios eletrônicos, como simuladores de tráfego”, explica o diretor de transporte e sistema viário da Strans, José Falcão.

Tornar uma via sentido único também tem sido uma das maneiras de proporcionar maior fluidez ao trânsito. A Avenida Rio Poti, na zona Leste da capital, por exemplo, teve sua circulação modificada para solucionar os congestionamentos que se formavam no local em horário de pico.

O arquiteto, Ivo Adriel, que mora na região, aprovou a mudança e relata que o fluxo ficou melhor. “Na minha rua sempre tinha engarrafamento. Agora, o trânsito flui melhor e todo mundo se entende. A mudança no tempo dos sinais também foi uma boa medida porque reduziu o tempo de espera dos condutores”, conta.

Outra medida importante foi a implantação da faixa reversível na Ponte da Primavera e intervenções na Avenida Dom Severino com Alameda Parnaíba, permitindo que a Ponte Estaiada fosse mais uma alternativa de rota para a população.

Novos semáforos e eliminação de retornos previnem acidentes

O aumento da frota de veículos também exigiu o fechamento de vários retornos nas avenidas de grande tráfego, a proibição de estacionamento, além de novos semáforos para organizar o trânsito.

“Ao realizar manobras erradas em retornos, os condutores causam congestionamentos e há risco maior de acidentes. No caso dos semáforos, essa sinalização é importante porque orienta os motoristas, dando tempo para todos realizem as manobras com segurança”, destaca Falcão.

Ele cita exemplos recentes de mudanças que foram necessárias devido ao aumento do tráfego de veículos. “A avenida principal do Dirceu era utilizada somente pelos moradores do bairro, mas hoje circula por lá quem passa pela ponte Anselmo Dias, que faz a conexão com a Gil Martins. Tivemos que fechar os retornos e proibir estacionamento na avenida. Já na Kennedy, instalamos muitos sinais por causa das vias que passaram a cruzar a avenida”.

A fisioterapeuta, Bruna Maria, mora no conjunto Novo Horizonte e acessa a avenida principal do Dirceu todos os dias. Ela afirma que o fechamento dos retornos diminuiu o número de acidentes. “O trânsito passou a fluir melhor e quase não vejo mais acidentes”, diz.

Ela também aprovou a proibição do estacionamento na avenida. “Por mais que seja ruim para nós motoristas, também foi uma medida importante porque parte da via ficava cheia de carros e dificultava o tráfego. Tivemos que nos adaptar estacionando nas ruas laterais”, conta.