Fotografo: Divulgação
...
Detentos aprovados no Enem PPL

A Secretaria de Estado da Justiça (Sejus), por meio da Coordenação de Ensino, em parceria com a Secretaria de Estado da Educação (Seduc), divulgou o número dos detentos aprovados do Exame Nacional do Ensino Médio para Pessoas Privadas de Liberdade, o Enem PPL 2019. Dos 522 reeducandos que realizaram a prova, 164 alcançaram a média necessária para disputar vagas nas instituições de Ensino público e privado, em cursos como Administração, Física, Química e Ciências Biológicas. Em 2018, foram 59 aprovados.

Durante todo o ano, os reeducandos participam de revisões que acontecem em diversos presídios do estado. A prova do Enem PPL possui grau de dificuldade equivalente ao do Enem Regular e é uma oportunidade para os detentos se inserirem no ensino superior. A Coordenadora de Ensino da Sejus, Jussyara Valente, comemora o aumento nos números. “Os resultados mostram que estamos no caminho certo. A educação vem dando novos horizontes para os reeducandos. Vamos continuar o nosso trabalho, expandindo as revisões e levando conhecimento para dentro das unidades. Estamos buscando cada vez mais novas ofertas para a educação e alcançar aprovações para todos, isso é ressocialização”, diz.

ENCCEJA

Já dos 360 internos que realizaram o Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos para Pessoas Privadas de Liberdade (Encceja Nacional PPL), em 16 unidades do sistema prisional, 92 detentos obtiveram aprovações, 50 para o ensino fundamental e 42 para o ensino médio. O número é superior ao ano passado, com 24 internos aprovados.

O ENCCEJA beneficia aqueles que não concluíram os ensinos fundamental e médio no tempo certo e buscam uma certificação.

Segundo o Secretário de Justiça, Carlos Edilson, os resultados refletem o trabalho e os investimentos na educação prisional. “Esses números demonstram que o sistema penitenciário do Piauí permanece evoluindo. Continuaremos investindo na educação, buscando aumentar ainda mais esses números e seguir como uma referência nacional no que tange à educação”, conclui.