Fotografo: Divulgação
...
Superintendência de Parcerias e Concessões (Suparc)

A Superintendência de Parcerias e Concessões (Suparc) apresentou nesta segunda-feira (31) o projeto de Parceria Público-Privada (PPP) elaborado para o Centro Administrativo. O plano de reestruturação prevê a modernização e readequação do espaço físico a fim de ampliar a quantidade de órgãos funcionando no local, incluindo a governadoria e vice-governadoria. A parceria com a iniciativa privada deve gerar ao Estado uma economia mensal de cerca de R$ 3 milhões.

Elaborado seguindo a modelagem de Concessão Administrativa, a PPP tem como proposta centralizar os serviços administrativos de operação e manutenção da estrutura em um único contrato, sob a gestão da Secretaria de Administração e Previdência (SeadPrev). Dentre as inovações, o projeto apresentado prevê a adoção do modelo de coworking, espaço coletivo de trabalho, adotado nas empresas para reduzir custos, e da padronização da comunicação visual.

O secretário de Estado da Administração e Previdência, Franzé Silva, destaca que a além da economicidade, a concentração de mais pastas em um único local garante mais eficiência administrativa e agilidade na tramitação de processos. “A adoção da modelagem de Parceria Público-Privada tem sido exitosa no Piauí. Para a PPP do Centro Administrativo, a ideia é centralizar o corpo funcional do Estado no mesmo local, num espaço moderno, mais confortável para o servidor e para a população que procura os serviços prestados pela administração pública”, frisou o gestor.

A iniciativa privada deve assumir a gestão do local por um prazo de 30 anos, investindo R$ 168 milhões na reforma, ampliação e manutenção do espaço. A empresa contratada ficará responsável pela manutenção preventiva e corretiva dos prédios e por serviços como limpeza, gestão de resíduos sólidos, segurança patrimonial, suporte tecnológico, dentre outros. De acordo com o cronograma apresentado pela Suparc, a reestruturação será concluída em três anos.

A próxima fase do processo é a realização de uma consulta pública para ouvir sugestões de gestores e servidores que trabalham no local. Em seguida será aberto o processo licitatório, previsto para iniciar em novembro.